Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Análise das Entrevistas

Terça-feira, 05.07.11

 

Fizemos várias visitas á vários lugares, fomos á Praça do relógio, Núcleo Bandeirante, Rodoviária. Ao todo conseguimos entrevistar 12 garotas de programa, com exeção de uma, todas trabalhavam na rua. Elaboramos uma questionário e a partir das respostas que recebemos fizemos uma análise  da trajetória dessas garotas:

 

 

FAMILIA

1)    Qual importância que você atribui a família em sua vida?

100% dos entrevistados afirmam que a família tem um grande valor na vida, é importante, é um porto seguro; é na família que as pessoas são moldadas para o bem ou para o mal.

 

2)    Você mora com alguém? Possui filhos? Qual a sua relação com eles?

A maioria moram com alguém (amigos, filhos, companheiros); 75% tem filhos e destes 78% possui uma boa relação com eles, as que não possuem doaram ou não tem contato com eles.

 

3)    Sofre alguma rejeição e/ou discriminação por parte de sua família?

17% sofrem rejeição e/ou discriminação por parte da família, 83% não sofrem, uma afirma que nem tem como sofrer simplesmente porque a família nunca a procurou desde que saiu de casa, outra porque os pais não sabem da profissão.

 

4)    Você tem ou pretende ter algum relacionamento serio?

42% tem relacionamento fixo ; 58% não tem, destes 85% pretendem manter um relacionamento fixo com alguém, uma afirma que ainda sonha casar-se na igreja de véu e grinalda.

 

5)    O que levou a seguir esta profissão?

 83% recorrem a esta profissão com intuito de adquirir recurso para o próprio sustento e o da família; 17% seguem nesta profissão com intenção de ganhar recursos para manter o vicio nas drogas.

 

VIOLÊNCIA

 

 

1)  Qual é o seu maior medo e o risco de sua profissão?

A maioria tem medo de sofrer algum tipo de agressão como: ser estuprada, violentada, roubada, etc. 25% tem medo de pegar doenças (DST); um afirma que tem medo de envelhecer, pois ficaria difícil de continuar na profissão; outro afirma que simplesmente não tem medo.

 

2)    Como é a sua relação com as companheiras de trabalho? Como funciona esta delimitação de espaço?

Para alguns não tem regras, surgem ate brigas com relação a isto; outras mantém um bom relacionamento; um não disputa espaço, atende com horário marcado no apartamento.

 

3)    Já sofreu alguma violência física e/ou moral? Como reagiu em relação a isto? Gerou algum trauma?

67% nunca sofreram nenhum tipo de agressão; dos 33% que sofreram 75% não gerou trauma, 25% gerou. Uma afirma que já sofreu tanto que não liga mais; outra diz que o cliente além de não pagar bateu nela.

 

4)    Que medida você costuma fazer para se sentir mais segura?

As respostas foram diversas: trabalhar durante o dia, tratar bem os clientes, procurar ser educada, andar sempre com amigas, com gilete, caneta, se apegar a Deus; um afirma que simplesmente não tem como tomar medidas, pois é perigoso o tempo todo, tanto de dia como de noite.

 

 

SAÚDE

 

1)    Qual o tipo de cuidado você tem com o corpo?

Alguns vão para academia, praticam esporte, procuram fazer exames periodicamente ou simplesmente não faz nada; uma diz que não tem condições para isto; outra afirma que não se preocupa com isto, a droga já tomou conta dela e por isso a aparência não importa.

 

2)    Como você se sente depois de um dia de trabalho?

Depois de um dia de trabalho a metade dos entrevistados sentem-se cansados, outros tristes; alguns sentem-se bem, com disposição e satisfeitos; uma sente que poderia ter tido uma vida melhor e diferente.

 

3)    Qual o método de prevenção mais utilizado? Como se adquiri? Já foi obrigado por alguém a não utilizá-lo?

83% utilizam preservativo (camisinha) por conta própria ou doados pela secretaria de saúde; uma reponde que às vezes usa, mas quando esta drogada não lembra é de qualquer jeito; outra afirma que não usa proteção vai do jeito que está. A maioria dos clientes não gostam de usar camisinha, sempre surgem proposta de não usar, mas dos que se protegem todos recusam tal proposta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Déia Nascimento às 18:59

Sugestão de filme

Terça-feira, 05.07.11

Para quem deseja assistir um bom filme que retrata a realidade de garotas de programa uma boa pedida é o filme Sonhos roubados:

 

 

 Em Sonhos Roubados Jéssica (Nanda Costa), Daiane (Amanda Diniz) e Sabrina (Kika Farias) são adolescentes e moram em uma comunidade carioca. Elas eventualmente se prostituem, no intuito de conseguir dinheiro para satisfazer seus sonhos de consumo. Etretanto, mesmo com os problemas do dia a dia, elas tentam se divertir e sonhar com um mundo melhor.

 

 

Link do filme Online: http://filmesmegavideo.net/sonhos-roubados-dublado-online/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Déia Nascimento às 18:52

Prostituição Infantil na Rodoviária de Brasília

Terça-feira, 05.07.11

 

 

 

 

 

 Grande maioria das garotas de programa que trabalham na rodoviaria ou em seus arredores são menores de idade, elas andam em bandos e dormem nas ruas. Arredias, ariscas, desconfiadas, agressivas. Se chegarmos um pouco mais perto, veremos uma outra realidade, elas apenas buscam um meio de se proteger e sobreviver, após o contato com várias meninas, pudemos constatar que muitas delas fazem parte de uma segunda geração de pessoas que já viviam na rua, ou seja, filhos de filhos da rua. Por aí já podemos entender que o problema é bem anterior e mais profundo do que podemos imaginar.

 

A desestrutura da família é um dos principais fatores que levam essas garotas para as ruas. Muitas dessas meninas já sofreram algum tipo de violência ou abuso sexual vindo de sua própria família e acabam fugindo para as ruas.  Outras, ainda, são incentivadas pela própria família a se prostituírem. Ao ganharem a rua, com o passar do tempo, perdem os vínculos com a casa e com a família, seduzidas pelos atrativos da rua. Acabam buscando refugio no mundo das drogas. 

 

 

Rodoviária de Brasília-

 

 

 

 

Conseguimos entrevistas de algumas garotas na rodoviária por intermédio de uma parente da Heloísa, (integrante do grupo), que já havia feito um trabalho semelhante no local.  Entrevistamos uma garota que se titulava por Dany, foi um dos depoimentos que mais nos impressionou, não só pelo conteúdo mais também pelo fato da entrevistada ter apenas 15 anos, ser viciada em drogas e ja ter dois filhos. Infelizmente ela não aceitou que a filmassemos, mais segue abaixo a entrevista que fizemos com ela:

 

 

 Tema Família:

 

1- Qual importância que você atribui a família em sua vida?

Muito grande, já que por não ter uma, ela se sente muito incompleta.

 

2- Você mora com quem? Possui filhos? Qual a sua relação com eles?

Possui 2, mais não vivem com ela. O Conselho tutelar chegou a prender os 3, mais ela fugiu e os deixou lá pois acredita ser melhor.

 

3- Sofre alguma rejeição e/ou discriminação por parte de sua família?

Não desde de que fugiu de casa , a família nunca a procurou.

 

4- Você tem ou pretende ter algum relacionamento fixo com alguém?

Ela ainda tem o sonho de casar na igreja de véu e grinalda, mas acha um sonho muito distante, quase impossível, pois se encontra em uma situação que nada favorece a isso.

 

5- O que levou a seguir esta profissão?

O abuso que sofria do meu padrasto. Sai de casa e preciso me manter, além de manter o meu vicio nas drogas.

 

 

 Tema Violência

 

1- Qual é o seu maior medo e o risco de sua profissão?

Apanhar como apanhava do padrasto.

 

2- Como é sua relação com suas companheiras de trabalho? Como funciona esta delimitação de espaço?

Elas são em 3 meninas, quem tiver menos doidona por causa das drogas, vai.

 

3- Já sofreu alguma violência física e/ou moral? Como reagiu em relação a isto? Gerou algum trauma?

As pessoas tem medo de mim, isso já um grande sofrimento pra mim. As vezes quando ando pela rodoviária, as pessoas me olham com um olhar de nojo, angustia e medo. Tenho muito receio disso e gostaria muito que isso mudasse.

 

4- Que medida você costuma fazer para se sentir mais segura?

Uma gilete na boca em baixo da língua ou entre os seios.

 

 

 Tema Saúde:

 

1- Qual o tipo de cuidado você faz com o corpo? (atividade física, alimentação, se dorme bem, etc.)

Não tenho tempo pra isso e nem condições. As vezes tomo um “banho de gato” quando a situação já esta bem drástica mesmo.

 

2- Como você se sente depois de um dia de trabalho?

Sinto muita tristeza por não ter ideia de quando vou poder mudar de vida, por saber que não tenho ninguém que se importa comigo e que gerei 2 crianças que talvez vão passar pela mesma situação que a minha e eu não vou poder fazer nada pra mudar.

 

3- Qual o método de prevenção mais utilizado? Como se adquiri? Já foi obrigada por alguém a não utilizar - los?

Não utilizo nada, vou do jeito que estou. As pessoas que me procuram não se importam muito com isso e como o “trêm” tem quer rápido, não perco tempo com isso.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Déia Nascimento às 16:40

Prostituição incomoda moradores e comerciantes de Taguatinha-DF

Terça-feira, 05.07.11

O conselho de segurança comunitária da cidade de Taguatinga, no Distrito Federal, denuncia o tráfico de drogas e a intensa presença de prostitutas e travestis em algumas ruas do centro da cidade.

Comerciantes se preocupam com a queda da clientela e moradores dizem que não saem de casa a noite e não podem receber visitas porque há uso de drogas e sexo na rua, em  frente às casas, escolas e lojas.

Um morador diz estar acuado porque tem dois filhos pequenos e não sabe como evitar que eles vejam o que acontece em frente à casa.

A reportagem flagrou, além da prostituição, menores fumando crack e a polícia passando e não tomando nenhuma atitude.

 

 
 
Fonte da matéria: Canal R7

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Déia Nascimento às 16:17

Conhecendo melhor a profissão:

Segunda-feira, 04.07.11

 

 

Pesquisando na internet descobrimos o conceito de prostituição:

 

A prostituição pode ser definida como a troca consciente de favores sexuais por interesses não sentimentais, afetivos ou prazer. Apesar de comumente a prostituição consistir numa relação de troca entre sexo e dinheiro, esta não é uma regra. Pode-se trocar relações sexuais por favorecimento profissional, por bens materiais (incluindo-se o dinheiro), por informação, etc.

A sensibilidade sobre o que se considera prostituição pode variar dependendo da sociedade, das circunstâncias onde se dá e da moral aplicável no meio em questão.

A prostituição é reprovada em diversas sociedades, devido a ser contra a moral dominante, à possível disseminação de doenças sexualmente transmissíveis (DST) , por causa de adultério, e pelo impacto negativo que poderá ter nas estruturas familiares (embora os clientes possam ser ou não casados).

Na cultura silvícola de algumas regiões, inclusive no interior da Amazônia e em algumas comunidades isoladas, onde não há a família monogâmica, não existe propriedade privada e por conseguinte não existe a prostituição: o sexo é encarado de forma natural e como uma brincadeira entre os participantes. Já onde houve a entrada da civilização ocidental o fenômeno da prostituição passa a ser observado com a troca de objetos entre brancos e índias em troca de favores sexuais.

 

 

História

 

Apesar de fortemente disseminada no senso comum, a ideia de que a prostituição seja a profissão mais antiga do mundo não encontra qualquer fundamento histórico ou antropológico, visto que os mais antigos registros de atividades humanas revelam as mais variadas especializações como agricultura e caça, mas raramente revelam indícios de prostituição, que normalmente exige um contexto social posterior.

Posteriormente, ainda na antiguidade, em muitas civilizações já desenvolvidas, a prostituição era praticada por meninas como uma espécie de ritual de iniciação quando atingiam a puberdade.

No Egito antigo, na região da Mesopotâmia e na Grécia, via-se que a prática tinha uma ritualização. As prostitutas, consideradas grandes sacerdotisas (portanto sagradas), recebiam honras de verdadeiras divindades e presentes em troca de favores sexuais.

 

 

 

Cliente e uma prostituta (o saco de dinheiro está pendurando na parede) 480–470 AC, depositado em coleção particular em Munique. 

 m

 Cliente e uma prostituta (o saco de dinheiro está pendurando na parede) 480–470 AC, depositado em coleção particular em Munique.

 

 

  Prostitução no Brasil e no mundo

 

No Brasil, numa pesquisa do Ministério da Saúde e a Universidade de Brasilia indica que, no segundo semestre de 2005, quase quarenta por cento das prostitutas estavam na profissão há, no máximo, quatro anos, fato que indicaria um alto grau de abandono da profissão. Já o Centro de Educação Sexual, uma ONG que realiza trabalhos com garotas e garotos de programa do Rio de Janeiro e Niterói, diz que a maioria se prostitui para sobreviver e que muitas sonham em encontrar um amor.

 

 

Pela lei brasileira, a prostituição não é crime. Toda pessoa é dona de seu corpo e pode usá-lo como quiser. Mas tirar proveito da prostituição, seja de que forma for, é crime.Assim, manter casas de prostituição, viver às custas de prostitutas ou mesmo induzir alguém a esse tipo de trabalho, por exemplo, são considerados crimes. As penas podem ir de um a oito anos de reclusão.Criminalmente, para provar que um estabelecimento é uma casa de prostituição, é preciso verificar a habitualidade --ou seja, demonstrar a freqüência do delito. Essa é uma das principais dificuldades da polícia, pois a sindicância com diversas idas aos lugares foi apontada pelo Judiciário como abuso de autoridade. Ações administrativas passaram a ser adotadas.

Alguns países já reconhecem legalmente a prostituição como profissão, a exemplo da Alemanha. Na Suécia é proibido comprar serviços sexuais, mas não vendê-los. Na Holanda, a prostituição é considerada um trabalho com direito a seguridade social. Na Dinamarca, as prostitutas pagam impostos, mas não têm direito a assistência médica nem a seguro desemprego. Na Espanha, a prostituição não é autorizada, mas tampouco é proibida, e as trabalhadoras do sexo vivem num limbo sem leis: a regulamentação  se limita à "preservação da ordem pública" e a castigar os delitos contra a liberdade sexual ou o aproveitamento de situações de debilidade.

 

 

 

Este mapa mostra os paises aonde a prostituição é legal ou ilegal:

 

 

 

 

██ ProstituiçãO legal e regulamentada

 

██ Prostituição (troca de sexo por dinheiro) legal, mas as atividades organizadas, tais como prostíbulos e lenocínio são ilegais, a prostituição não é r

 

 

██ Prostituição ilegal

 

██ Sem  dados 

Praça do relógio- Taguatinga (DF),  ponto de prostituição

 

Praça do relógio- Taguatinga (DF) ponto de prostituição

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Déia Nascimento às 20:51

Sabendo um pouco mais...

Segunda-feira, 04.07.11

Nosso trabalho começou com uma idéia na cabeça e muita  curiosidade á respeito da vida de garotas de programa que trabalham na rua. Elaboramos um questionário e, muito ansiosas, partimos para as ruas em busca de garotas que aceitassem ser entrevistadas. Enfrentamos algumas dificuldades pois muitas não aceitaram ao menos falar conosco e fugiam na presença de gravadores e câmeras provavelmente por vergonha ou para preservarem seu anonimato. Foi uma tarefa árdua mais ao todo conseguimos 10 entrevistas. Confessamos ter sido uma experiência muito boa, nos mostrou uma visão diferente á respeito de tudo aquilo que imaginávos á respeito dessa profissão, percebemos que essas  garotas são iguais a qualquer outra pessoa, todas as entrevistadas apresentaram  a mesma vontade de um dia vencer na vida, alegaram a profissão como meio  de complementação de renda . Se é correta ou não a escolha desta profissão não cabe a nós julgarmos, cada um possuí a sua liberdade de escolha e sabe que é melhor pra si.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Déia Nascimento às 15:27





mais sobre mim


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

arquivos

2011